Soberanas do GERB 2018

Na manhã do dia quatro de dezembro, houve o desfile interno de alunas para o título de soberanas do GERB 2018. De maneira mais discreta e mais focada ao objetivo que se almeja de uma soberana estudantil, quatro alunas do Ensino Médio realizaram a prova escrita que consistia na elaboração de uma redação. Na segunda etapa, as alunas foram avaliadas pelo coletivo de professores e direção, que observaram: desempenho escolar, desempenho em sala de aula e simpatia. Na terceira etapa, as alunas desfilaram para os alunos e professores do turno da manhã, verificando simpatia, beleza e postura ao desfilar. A mudança no processo de escolha, deveu-se ao curto tempo disponível para a organização do evento conforme era seguido em outros anos. As alunas que participaram do evento estavam cientes e concordaram com a organização do processo, inclusive apresentando termo de compromisso em relação a função de soberana GERB, assinada pelos pais.
As soberanas Gerb 2018 são: Rainha - Pâmela Fachini, 1º ano; 1ª princesa - Ana Paula Andres, 2º ano; 2ª princesa - Fernanda Valandro, 2º ano; Miss Simpatia - Franciele Cristófolli, 2º ano.
A escola parabeniza as alunas que participaram com maturidade e vontade de participar da vida escolar. Sucesso e bom trabalho.
 

O esporte como ferramenta de transformação social

Sob o olhar atento de um público participativo e orgulhoso, composto em sua maioria por familiares dos atletas competidores, foi aberta na manhã do domingo dia 03 de dezembro, a 2ª Copa Escolar de Ginástica do CRAS de Nova Bréscia. A competição reuniu atletas dos Municípios de Travesseiro e Nova Bréscia, do Colégio Evangélico Alberto Torres - CEAT e da Univates de Lajeado. No total, participaram 168 atletas com idades entre 6 e 12 anos, divididos nas categorias pré-nível, nível 1 e nível 2, cujas competições aconteceram durante todo o dia. 
A modalidade, que é inspirada na cama elástica presente na prática circense, criou-se nos Estados Unidos no início do século XX. A aparição da categoria ocorreu apenas nas olimpíadas de Sydney, em 2000. Nas edições posteriores, apenas Ucrânia, Canadá, Rússia, China, Alemanha e Uzbequistão foram os países medalhistas olímpicos nesta modalidade até o momento, englobando as categorias masculina e feminina.
Em uma competição de ginástica de trampolim, o atleta deve apresentar uma sequência composta por vinte movimentos técnicos, executando saltos duplos, quádruplos e acrobacias variadas, atingindo uma altura de até seis metros.
A equipe de ginastas de Nova Bréscia conta com cerca de 88 atletas – crianças e adolescentes, coordenados pelos Educadores Físicos Carlos Casaril e Minoru Otsuka e colaboração do estagiário Jeferson Fontanive que realizam treinamentos com a equipe no turno inverso ao período escolar. Na região, somente instituições de ensino privadas e universidades disponibilizam a prática. Nos registros, somente o CRAS de Nova Bréscia oferece a modalidade de forma gratuita. 
Neste ano, foram adquiridos R$120.882,46 (cento e vinte mil oitocentos e oitenta e dois reais e quarenta e seis centavos) em equipamentos e espera-se que outros cheguem ao município através de emenda parlamentar no próximo ano. 
Em breve discurso realizado na abertura oficial do evento, o prefeito municipal Marcos Antonio Martini salientou a necessidade de manter os jovens inseridos no esporte e a importância da colaboração do poder público no incentivo a estas práticas. A Primeira-dama e Secretária de Assistência Social, Andréa Lemos Martini, completou dizendo que se sente feliz com a participação de crianças e por oportunizar o evento à comunidade através dos recursos federais destinados ao CRAS. 
Os melhores atletas por idade receberam premiação por seu desempenho. Foram melhroes, em suas idades, os atletas brescienses Maria Clara Fonhaimporg, Milena B. Merlo, Melissa T. Biasibetti, Daniely Nekel e Roberta da Silva.
A assistente social Márcia Garibotti Lorenzon, expressou sentimento de felicidade com a participação inédita da equipe do Município de Travesseiro.
Ao final das premiações, alguns atletas apresentaram individualmente suas sequências. Além de abrilhantar a Copa, demonstraram a todos os presentes que com muito treino e disciplina é possível atingir bons resultados. 
Aliar o esporte às demais atividades escolares e sociais dos participantes, ofertando um serviço responsável e de qualidade, faz parte do compromisso de transformar a sociedade de maneira positiva,  promovendo através do investimento público a cidadania. 
 
Matéria: Prefeitura 
de Nova Bréscia
 
 

E os loucos foram para a Argentina

Estar presente em uma final de Libertadores é o sonho de qualquer torcedor. Este ano, os gremistas tiveram esta oportunidade e não deixaram escapar. Conforme o Grêmio foi avançando na competição, um grupo de amigos de Nova Bréscia e Coqueiro Baixo foi alimentando este desejo, o qual foi se tornando cada vez mais real. 
Durante uma reunião do consulado bresciense, para a organização do Almoço Gremista, que acontece no dia nove de dezembro, eles combinaram que se o Grêmio chegasse à final, iriam tentar participar, já que por ser na Argentina ficaria mais acessível.
E a promessa foi cumprida. No dia 29 de novembro, os 10 amigos estavam na Argentina. Tiago Daroit, Tiago Magagnin, Mateus Vendramin, Flávio Spessatto, Rafael Spessatto, Douglas Biondo, Leandro Giovanaz, Charles Berti, Luciano Conte e Marino Provinelli contam que foi uma verdadeira batalha chegar lá. No primeiro lote de ingressos foram disponibilizados quatro mil ingressos e apenas o Tiago Daroit e o Douglas Biondo conseguiram. Após o primeiro jogo da final, o Grêmio disponibilizou mais mil ingressos. Depois de horas na fila em frente ao computador, eles conseguiram os outros oito que faltavam.
Eles contam que a viagem foi tranquila, mas bem cansativa. Saíram às 10h do dia 28/11 de Nova Bréscia e chegaram em Porto Madero na Argentina, local da concentração dos gremistas, às 14h do dia 29/11. Dali, saíram com destino a La Fortaleza, estádio do Lánus, escoltados pela polícia. Eram cerca de 130 ônibus de torcedore. Contam que o trajeto foi tranquilo e não passaram por nenhum tipo de risco. 
A torcida do Grêmio tinha cerca de seis mil torcedores, mas o grupo conta que a impressão era de que havia muito mais, pois o espaço estava completamente lotado e o barulho era ensurdecedor.
“Pra falarmos sobre a sensação de estar na final, precisamos falar desde o primeiro momento em que decidimos ir. Fomos taxados de loucos pela maioria das pessoas. Todos diziam que iríamos pra lá para apanhar e que, além de tudo, voltaríamos derrotados. Mas desde o primeiro momento, o nosso grupo decidiu pensar sempre pelo lado positivo da história. Era um sonho que estava prestes a se realizar e que ficaria pra sempre na memória de todos nós. A sensação de estar lá foi única e indescritível, ficamos na história. Daqui a 50 anos, olharemos as fotos e vídeos e poderemos dizer que fizemos parte da Batalha de La Fortaleza, e melhor ainda, voltamos de lá Tri Campeões da América. Fica a dica pra quem tem algum sonho, seja ele qual for: dificuldades e medo a gente sempre vai enfrentar, mas não pode ser maior que a vontade de vencer e realizaR”, desabafam os 10 “loucos”.
Eles comemoraram no estádio junto com os jogadores, ficando por lá durante umas duas horas, após o final do jogo, até a torcida deles irem embora. 
Agora, o grupo está focado na realização do Almoço Gremista, dia 09/12 e devem ter alguma programação especial durante o mundial. Na final da Libertadores houve telão ao ar livre para que os gremistas pudessem acompanhar o jogo, o que pode se repetir no dia 16/12.

A responsabilidade dos pais com o futuro dos filhos

Na noite de 30 de novembro, profissionais da área da educação e pais tiveram a oportunidade de participar de uma palestra com o médico pediatra Sergio Kniphoff, que falou sobre “Limites na educação dos filhos”. O evento foi promovido pela Secretaria de Educação e pelo Cras.
O médico iniciou falando da responsabilidade dos pais na criação dos filhos. Disse que muitos problemas de saúde de adultos jovens são resultado de atitudes inadequadas na infância, especialmente no que se refere à má alimentação. Dr. Sérgio enfatizou que os pais são os responsáveis em fornecer aos filhos hábitos saudáveis, evitando sentimentos de culpa no futuro, quando os filhos vierem a apresentar problemas de saúde.
- Pais não podem ser amiguinhos dos filhos. Eles têm que ser responsáveis e ditar regras – ressaltou o médico.
Disse que as crianças estão observando os pais o tempo todo. Por isso, é preciso ter cuidado com as ordens dadas, dando exemplo e cumprindo as regras impostas pela família. É preciso ter coerência, com o discurso em sintonia com a ação. 
- Não tem nada que as crianças não aprendam. Mas elas precisam ser ensinadas – falou Sérgio. E quem precisa ensinar são os pais, não o celular ou a televisão. 
O médico é favorável em limitar a influência das tecnologias na educação das crianças. Para ele, o espaço da família deve ser preservado, onde adultos e crianças não utilizem componentes eletrônicos juntos, devem estimular mais a convivência entre pais e filhos.
Ele também defendeu o limite do uso da internet por crianças pequenas, as quais não tem idade para saber o que é permitido ou não para sua idade, podendo estar exposta a conteúdos inadequados para elas. Os pais têm a responsabilidade de proteger dos riscos a que seus filhos estão expostos na internet.
O médico também falou de limites e dos “nãos” que as crianças precisam ouvir.
- Dizer não para o filho pequeno hoje, vai dar coragem para eles dizerem não para aquilo que não for bom para eles ao longo da vida – ressaltou Sérgio. Eles devem aprender que na vida ouvirão mais “não” do que “sim” e a enfrentar as frustrações que inevitavelmente virão.
 
Você está aqui: Principal Notícias Geral