Sofisticação e qualidade em bolsas e acessórios

 

 

Criada há cinco anos, a empresa De Paoli Bolsas está expandindo seus negócios. Recentemente, transferiu suas instalações para um espaço maior, mais adequado à realidade da empresa. Além disso, está montando uma loja junto à fábrica, para atender diretamente aos consumidores.
No início das atividades da De Paoli Bolsas, a empresa trabalhava apenas com a venda de bolsas. O negócio foi se desenvolvendo e o fundador da empresa, Alceu De Paoli, passou a ser sócio de Gilnei Agostini e Flávio Giongo, proprietários da empresa Brilhos da Pedra. Assim, a linha de produtos foi sendo incrementada.
Atualmente, a empresa trabalha com bolsas, carteiras, cintos, calçados femininos, pulseiras, colares e anéis em couro, pedra e bijuteria. Todos os produtos são vendidos com a marca Madame Tyrssat, registrada pela empresa para comercializar os produtos fabricados pela De Paoli Bolsas. 
Além de comercializar os produtos da marca Madame Tyrssat, a empresa fornece seus produtos para a marca Datelli. A rede de lojas mantém parceria com a empresa, elaborando juntos modelos e definindo a coleção, que é produzida exclusivamente para a Datelli. Atualmente a empresa fornece bolsas, pulseiras, anéis e colares. No segundo pedido para o inverno 2013, a empresa está produzindo 500 peças para a Datelli.
 
Os calçados comercializados com a marca Madame Tyrssat são produzidos em Novo Hamburgo, por uma empresa parceira. Todos as peças são exclusivas, produzidas de forma artesanal, em couro legítimo. 
O couro é o material básico na produção da De Paoli. Além das bolsas, a empresa utiliza o couro na produção de braceletes, colares e até mesmo em anéis. Basicamente utiliza couro de boi, mas em algumas peças aparecem o couro de porco e o de cobra Pythou, material importado e singular. O couro de boi aparece com diferentes texturas, imitando a pele de animais como cobra, crocodilo e onça.
Segundo Alceu De Paoli, a empresa está com o planejamento de abrir uma loja conceito, trabalhando a marca Madame Tyrssat, provavelmente até o final do ano. 
Atualmente a empresa está com 10 funcionários, instalada na RS 425, nº 502, em Nova Bréscia.
 
 

Saúde Qualificada

Hospital São João batista, está realizando melhorias nos pisos de duas enfermarias masculinas, cinco quartos privativos, capela e posto de enfermagem, com a substituição do piso de madeira por porcelanatto.

Este investimento é realizado com recursos próprios, arrecadados com as programações que o hospital realizou no ano de 2012, como o jantar beneficente e doações. O investimento está orçado em R$ 45.000,00.
Outro investimento está nos recursos de uma emenda parlamentar, destinados ao hospital em 2010 no valor de R$ 100.000,00 pelo Deputado Federal Afonso Rans, solicitados, pelo Norberto De Mamann, onde foi mantida viva como nos chamamos pelo Marcos Luis Giovanaz atual presidente, pela engenheira da prefeitura Ana Tronco e pelos prefeitos municipais em suas viagens á Brasília, onde sempre trabalharam para que este recurso fosse liberado para o hospital.
Esta luta em conjunto resultou na liberação dos recursos em novembro de 2012. Estes recursos estão destinados para a aquisição de equipamentos conforme projeto aprovado pelo fundo nacional de saúde, onde consta: um bisturi elétrico; uma mesa cirúrgica; um esfignomanometro de pedal; um berço aquecido com foto terapia; quinze camas com colchões; um aspirador cirúrgico; um oximetro de pulso; um foco cirúrgico de teto; três banquetas giratórias; cinco split 9.000 btus e vinte cadeiras fixas. Todos os equipamentos já estão no hospital.
Certos que todo este trabalho e revertido em benefício para as pessoas das comunidades em que o hospital está inserido, levando qualidade e humanização aos atendimentos nele realizado, continuaremos lutando para oferecer melhorias.
Cabe esclarecer também que o Hospital São João Batista como todas as instituições filantrópicas e beneficentes de nosso país está passando por uma situação extremamente desconfortável financeiramente perante a alta dos custos dos atendimentos hospitalares e por estar realizando atendimentos à pacientes de alta complexidade, onde o governo nos ressarce com valores de baixa complexidade. Este fato agravou-se a partir de janeiro com a nova política de financiamento dos plantões médicos, deixando um déficit financeiro considerável para o hospital ressarcir.
Portanto esperamos que encontrasse uma saída para este impasse porque não podemos cogitar o fechamento de nosso hospital, depois de tanta luta para mantermos em funcionamento.

 

 

Qualidade já na primeira safra

 

No próximo ano, os brescienses já poderão  consumir uvas de mesa produzidas em Nova Bréscia. As variedades Rubi, Rainha Itália, Perlona, Patrícia e Moscato estão sendo produzidas pelas famílias de Ari Casaril, em Linha Divertida, Milton Delazeri, em Linha Tigrinho Alto, e Jorge e José De Conto em Linha Jacarezinho.
Estes produtores foram incentivados pela Emater a investir num sistema tecnológico adequado, com cobertura plástica dos parreirais, para a produção de uva orgânica, isto é, sem uso de defensivos.
Este projeto foi iniciado há dois anos e já se pode ter uma amostra da produção dos parreirais nesta primeira safra.
- A cultura da uva de mesa requer uma atenção especial para que se obtenha uma boa produção -  afirma o Técnico Agrícola da Emater, Norberto De Maman. Por isso, foram visitadas propriedades de produção de uvas no sistema com cobertura plástica no município de Bento Gonçalves. Segundo Norberto, as condições climáticas de Nova Bréscia são similares com as da serra gaúcha, e que proporciona um desenvolvimento da cultura, não somente de uvas americanas (comuns), como também uvas de mesa.
 
Portanto, para o próximo ano, certamente os consumidores locais poderão degustar uvas orgânicas produzidas em Nova Bréscia.

Casal comemora Bodas de Mercúrio

Não é com muita frequência que casais conseguem comemorar suas Bodas de Ouro, isto é, 50 anos de união. Pois bem! E o que podemos dizer de Bodas de Mercúrio? Para comemorar esta data é preciso 69 anos de união matrimonial. Em Nova Bréscia, um casal chegou a esta incrível marca no dia 19 de fevereiro deste ano.

Albino e Ortenila Radaelli comemoraram 69 anos de casados, mas estão juntos há mais tempo. Os dois se conheceram no dia 7 de setembro de 1940, relembra Albino. Neste dia, Ortenila estava passeando com suas amigas pela cidade, quando chamou a atenção do jovem Albino. Ele lembra que assim que a avistou, foi ao seu encontro e a acompanhou no passeio.
Depois disso, o namoro ficou cada vez mais sério, e passou a visitar a moça em casa. Os dois lembram que levavam as irmãs mais novas de Ortenila, Dolfina e Teresinha, para passear. Era uma desculpa para os dois poderem ficar mais perto e até mesmo “pegar na mão”.
O casamento foi celebrado na Igreja Matriz de Nova Bréscia e, a partir daí, o casal começou a construir sua vida a dois. Albino largou o emprego como tropeiro para os Agostini e passou a trabalhar na roça, ao lado de Ortenila. Cultivavam trigo, feijão, milho e criavam alguns porcos. 
 
Os filhos vieram para completar a felicidade do casal. São oito: Décio José, Lídia, Nilse Teresinha, Reni Jorge, Luís Agostinho, Valdir ângelo e Volmir Arcângelo (gêmeos), e Mário Domingos. O casal fala com orgulho que conseguiram fazer com que seus filhos estudassem e tivessem uma profissão. Dona Ortenila lembra que tinham pouca terra, então incentivavam os filhos a estudar e construir suas carreiras através da educação.
Os netos e bisnetos também são lembrados com alegria. São 19 netos e cinco bisetos.
Nestas quase sete décadas de casamento, Albino diz que passaram por uma pouco de tudo. “Teve horas tristes, mas a grande maioria dos dias foram bons, sempre com disposição”.
O casal conta que no dia 21 de agosto, Ortenila completa 92 anos de vida e o dia cinco de novembro, Albino chega à mesma idade. Ao se despedirem, o casal convida para as Bodas de Vinho, no ano que vem. “Quando a gente chegar lá, vamos fazer uma festa e te convidamos pra fazer a reportagem”, brinca o nono.
 
 
 
 
 
 
Você está aqui: Principal Notícias Destaques