JNB 292 - 26 de junho de 2014

XEQUE –MATE
No tabuleiro de xadrez da poesia
jogam peões cavalos bispos torres.
E o todo poderoso Rei em guarda
gere a progressão às visitas da Rainha.
São signos os peões que vão de par em par
ocupando estratégias posições
abrindo espaço aos cavalos e Bispos.
Grande expressão figuras metafóricas.
 
Torres são peças bordando o tabuleiro
nas alas laterais em todas as direções;
assim vão as pedras em direção ao Rei
e a Rainha parte em sua proteção.
Rainha é guardião beleza angelical
progride em qualquer linha em busca de emoção;
o Rei é fecho de ouro em lágrimas sentidas
aguarda o xeque-mate para morrer de  amores.
 
Poetas maiores são poucos nesse mundo
capazes de jogar com letras e palavras
o belo o rítmico a fulgurante imagem
e darem o xeque-mate de metáforas.
Página 47 do livro Lira de Verão.
*Advogado, Presidente da Academia Literária Gaúcha - Fone (051) 3269.2368
E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. wwwwjosemoreiradasilva.com
 

Compartilhe

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google BookmarksCompartilhar no TwitterCompartilhar no LinkedIn
Você está aqui: Principal Colunas Coluna do Zé JNB 292 - 26 de junho de 2014